Otimizacao de Sites Curitiba - SEO

Anunciar em redes sociais é uma boa opção. Mas porque ter um site se já tenho as redes pra me ajudar a vender?

Sim é verdade que as redes sociais estão aí para ajudar, mas ja pensou que nenhuma dessas plataformas é sua? Além do mais um site serve não só como seu cartão oficial como serve para mostrar seu profissionalismo e eficiência em atender clientes, com formulários e sessões que só um site pode ter.

Os clientes notam quando sua empresa está investindo em canais diferenciados, e o site é essencial para que mostre o quanto sua empresa está engajada em tratar cada um personalizadamente.

Um dos principais fatores é a segmentação e análise. Em um site podemos ver de onde cada usuário está chegando, saindo e fazer contato direto.

Como os clientes compram através da internet?

Começam a pesquisar pelo Google ou indicação. Entram em um site, outro e outro. Entram em contato para saber mais sobre os serviços e assim decidem com quem irão comprar. Chegam a conclusão de quem será o prestador de serviço por ordem de como foram atendidos, do quanto deram valor a solicitação, entre outros fatores.

Vão e voltam de acordo com o que viram.

Podemos dizer que muitos já contrataram serviços fora da Exacta Web e voltaram a nós para concluir.

Garantia Exacta Web

Estamos sempre atualizando nossos conhecimentos através de muito estudo e experiências práticas, com colaboradores e clientes que precisam sempre o melhor.

Programamos, desenhamos e estudamos marketing digital desde 1998. Sabemos o que seu público quer e garantimos um site de ótima qualidade para você.
Fale com um de nossos consultores, sinta a experiência de quem tem muito tempo de internet e faça sucesso você também.

 

O que é Link Building?

Você já deve ter ouvido falar de otimização de sites por aí? Certo? Então, uma das técnicas de otimização é o link building, que nada mais é do que a distribuição de links pela internet, seja em sites parceiros ou dentro do seu próprio site.

Chamamos de link building externo, seus links em outros sites, e link building interno os links dentro do seu próprio site. Mas o que importa isso?

TUDO! Essa técnica é um dos pré-requisitos mais importantes na otimização dos sites. Afinal, internet é feita de links, não é? Portanto atenção as palavras seguintes se você se interessa em colocar seu site entre os primeiros nas buscas.

Os links internos são importantes para mostrar aos buscadores que seu site tem conteúdo, o Google, por exemplo, dá muitos pontos para sites que tem uma boa integração deste tipo de link. Mas lembre, é preciso prestar atenção no link juice, que é a distribuição equilibrada dos links. Trabalhe com 4 a 5 páginas em sites pequenos para manter este equilíbrio e não perder força.

Os links externos direcionando ao seu site são tão importantes quanto os links internos. Eles fazem os robôs do Google entenderem que sua página é importante, dando valor ao seu domínio. Quanto mais importante for a página que linka com seu site, melhor.

Temos algumas dicas para link building externo, mas isso fica para outro post.

Fique bem, foco no trabalho e em sua equipe para crescer.

Marketing Digital Curitiba

Coloque no papel tudo o que você sabe fazer de melhor e que possa auxiliar seus colaboradores e clientes e como resultado lhe dar dinheiro.

Anote as ideias, analise e selecione. Acredite no possível e no impossível. O mundo digital está cheio de exemplos motivadores de pessoas comuns que, com muito trabalho e parcerias, chegaram no topo.

O que estamos vivendo desde o início de 2020 não é brincadeira, mas nos mostra um mundo de novas oportunidades e melhorias .para os próximos anos Basta ter discernimento de onde aplicar o esforço, nossa atenção.

O que fazer para destacar minhas ideias e meus projetos em 2022?

  1. Como dissemos anteriormente o primeiro passo é anotar tudo. No papel ou em notas no seu computador ou celular, anote.
  2. Busque no Google por ideias semelhantes, sites que lhe agradam visualmente e pelas funções. Anote.
  3. Solicite atendimento de um profissional experiente em gerenciamento de projetos na internet, aqui << Ele irá te deixar por dentro do que precisa, se é site, loja virtual, landing pages, blog; todas com integração äs redes sociais.
  4. Analise os pontos destacados pelo consultor e faça perguntas, tire mesmo suas dúvidas, não tenha vergonha de perguntar tudo o que quer saber.
  5. Crie um perfil empresarial no Instagram e Facebook é fundamental, deixe o gerenciamento com uma equipe profissional, eles saberão como atingir mais pessoas com menor custo.
  6. Separe uma quantia mensal para investir em anúncios patrocinados no Google, Instagram e Facebook. Peça para o consultor simular valores de investimentos em anúncios patrocinados nas redes sociais.
  7. Acompanhe os resultados e envie suas impressões e sugestões ao seu gerente.

Este são alguns passos. Podemos te auxiliar no preparo de seu projeto em todas as fases. Entre em contato, estamos ao dispor para te ajudar a crescer no mundo digital.

Desenvolvimento de Sites Curitiba - Conteúdo

Sabe como fazer para que o tempo de desenvolvimento de seu site fique otimizado e o resultado saia melhor do que o esperado? Planeje com antecedência o conteúdo do seu site. Funciona assim: quando uma empresa contrata o serviço para fazer um site, nós da Exacta temos que fazer um briefing levando em consideração os seguintes aspectos: layout (forma do site), menus, conteúdo textual e de imagens, navegabilidade etc. Então, para agilizar seu serviço e torna-lo o melhor possível (e antecipando as reuniões para definir o produto final), é importante que o cliente saiba de antemão o que deseja pôr ou não no site. Assim, otimizaremos o seu tempo e o produto ficará exatamente da forma como imagina. Nesse texto, vamos passar algumas dicas para planejamento em cada parte do desenvolvimento de seu site.

Layout

O layout é a “forma” do site, o design que será exibido quando o usuário digitar o nome da sua empresa na barra de endereços. Dependendo do tipo de site (mais informações, mais produtos etc), o layout terá mais ou menos menus e colunas, assim, o empregador tem que ter uma visão estratégica de quantos menus o site conterá. A ideia é que cada setor de especificidade da sua empresa contenha um menu. Por exemplo, se você tem uma loja de carros, os menus podem diferenciar os carros novos de seminovos, ou ainda dividir os automóveis pelas marcas que os distinguem. Dessa forma, os menus abrigam produtos específicos, facilitando também a navegabilidade do site para o seu cliente que nele entrará. A dica é desenhar o layout em uma folha de papel (ou mesmo no Paint do computador), para que seja formada uma visão conceitual do projeto.

Outra coisa muito importante é ter uma ideia de grupo de cores que serão usados no seu site. Nesse aspecto, geralmente se utiliza uma gama de tonalidades de acordo com o logotipo da empresa, e tons parecidos ou contrastantes. Ou seja, se o logotipo da sua empresa é azul e branco, e você deseja que o background (“plano de fundo”, em tradução livre) de seu site seja azul claro, o tom do texto a ser utilizado pode margear entre um amarelo, verde claro, branco e preto. Normalmente se utiliza o preto, pois é a cor de fonte mais utilizada e também a melhor lida pelas pessoas. A explicação para isso é que se a cor for muito contrastante com a cor de fundo, a fusão de tonalidades pode prejudicar a leitura do texto.

É por isso que, na maioria das vezes, utiliza-se um background branco e cores pretas, com os menus ostentando cores diferentes. Mas isso não é uma regra, pois determinados seguimentos prezam mais pelo apelo estético e conceitual do site, assim, é importante que o cliente tenha uma ideia das cores do site para trabalharmos sobre isso. Uma dica nessa parte é olhar o círculo cromático com as tonalidades e suas cores adjacentes e contrastantes, assim o cliente saberá escolher melhor suas cores.

Conteúdo textual e de imagens

A parte de conteúdo é a mais complexa em toda criação de sites, pois algumas vezes a empresa não tem o conteúdo que ela imagina para seu site ou tem material insuficiente para ser utilizado. Mas vamos falar primeiro do conteúdo textual. A empresa tem pouco conteúdo textual para o site quando ela cria menus que desconhece o conteúdo deles. Isso acontece quando a contratante faz uma projeção de um novo serviço ou produto a ser oferecido, mas acaba (por falta de tempo ou organização), não dispondo de muitas informações para fornecer no período de desenvolvimento. É importante, então, ter esse conteúdo de forma completa, acabada e revisada, sem erros de português.

Em outra ocasião, a empresa não tem o conteúdo que pensa dispor. Isso pode acontecer por dois motivos: ela está expandindo seus serviços e não tem nada pronto ainda sobre suas novas atividades; ou ela está surgindo e não tem seu leque de atividades consolidado. Nos dois casos o ideal é que a empresa trabalhe para desenvolver esse conteúdo textual, desde o mais básico (“Quem somos” ou “A Empresa” etc), até os mais específicos (serviços e atividades oferecidas). A falta desses materiais torna o site carente de informações básicas para a navegabilidade do usuário.

Quanto ao conteúdo de imagens é extremamente importante que a empresa tenha um banco de imagens (ou crie um), para que as fotos possam ser transferidas, redimensionadas e colocadas no novo site. Quanto às imagens, é preferível que elas sejam leves, sejam identificadas e não possuam imperfeições (rabiscos, mal enquadramento, datas escritas etc). O “peso” da imagem na internet é importante para acelerar o carregamento de seu site, ou seja, se seu site tem imagens muito pesadas, com muita resolução ou detalhes, o texto carregará, mas não toda a página. O resultado é que espaços em branco surgirão entre o texto ou em locais específicos, então o usuário que está acessando o site pode não gostar disso e, sem tempo, abandonar o site. Isso acontece porque a conexão mais lenta de alguns usuários dificulta o carregamento completo dele e, se a pessoa não tiver mais disponibilidade, ela acaba abandonando-o.

Munidos dessas informações prévias de layout, conteúdo textual e de imagens, o trabalho para desenvolvimento do site fica otimizado e preciso, pois terá muito mais chances de sair exatamente como o cliente imaginou. A outra grande característica é acelerar o próprio andamento do site, pois, com todo o material à disposição, fica mais rápido fazer as provas para que o cliente aprove o projeto.

 

Loja no Instagram

O Instagram e o Facebook não são apenas redes sociais, mas sim uma opção de publicidade lucrativa e complementar ao Google Ads. Atualmente, o Instagram é a rede social mais influente e o Facebook a mais conhecida no mundo, com mais de 1,30 bilhões de usuários ativos (usuários ativos são as pessoas que usam o Facebook pelo menos uma vez por mês). E é claro que a estratégia seguinte utilizada pela rede social foi converter todas essas contas em público-alvo para as empresas, através dos anúncios no feed de notícias, na lateral da rede social e também no celular dos clientes. Agora, você sabia que essa alternativa pode complementar os resultados positivos para suas campanhas digitais? Leia o resto do texto e entenda.

Alcance e Especificidade

As duas maiores características destas redes são o alcance e a forma como ele filtra as pessoas em áreas de interesse. Vamos por partes, a primeira característica diz respeito à quantidade de usuários da rede social (1,30 bilhões), e ao fato de constantemente novas pessoas fazerem uma conta no nelas, e mesmo empresas importantes criarem uma página para investir nas ações relacionadas a essa rede social. Essa primeira característica é muito importante porque demonstra a força e confiabilidade do Instagram/Facebook enquanto local de investimento financeiro, afinal ninguém vai investir em algo que tende a perder relevância.

A segunda característica, especificidade, é a cereja do bolo, a habilidade que a distingue: as pessoas são agrupadas de acordo com suas preferências. Aliás, essa não é uma coisa banal como possa imaginar, mas sim uma característica que filtra todas as pessoas por grupos de interesse e as prepara para receberem ofertas do que elas procuram. A capacidade de filtrar os usuários, seja a partir do questionário do perfil próprio ou das páginas e grupos que a pessoa frequenta, faz com que a rede social tenha um pesado banco de dados em que estima as intenções de compras das pessoas que acessam o Facebook. E é justamente esse alcance e a capacidade de filtrar os clientes que a transforma em uma grande ferramenta de marketing disfarçada de rede social.

Preço e Negócios

Entendidos o poder e qualidades principais do Facebook, podemos entender que a migração para o campo da propaganda paga foi um passo muito natural para a expansão dos negócios da rede social. E, da mesma forma natural, a publicidade online, que antes rendia-se ao poder do Google, começou a migrar ao Facebook atraída pelos preços menores em segmentos de mercado. Quer dizer, a verba de publicidade que antes ia inteiramente para o Google, começou a ser redefinida para suportar investimentos também no Facebook. A estratégia de diversificar investimentos tem sempre o objetivo de alcançar o cliente novo ou fazer o retargeting focando o cliente que já conhece a marca, mas não usufrui de todos os serviços oferecidos.

Dessa forma, aliada à melhora do logaritmo que avalia a preferência dos usuários de Facebook, as propagandas estão ganhando o lugar na rede social e encontrando os clientes alvo das empresas e o resultado é que hoje, o Social Commerce (transações feitas pelas redes sociais) movimente hoje, no Brasil, cerca de R$ 100 milhões por ano, com expectativa de crescimento de mais de 10% ao ano.

Outras características também ajudam a explicar esse bom número: Atração de clientes em estágios iniciais de interesse no produto/serviço, pois, calculando os gastos com site e publicidade paga no Google, pequenas e médias empresas iniciantes estão optando por criar uma página no Facebook e fazer vendas pela rede social; Publicidade exibida de acordo com o contexto social do cliente, ou seja, anúncios bem focados, específicos, filtrados de acordo com os instrumentos sociais do Facebook; Pode-se escolher a posição do anúncio entre Feed de notícias do usuário, Feed de notícias do aparelho móvel e coluna à direita; etc.

Preço e capacitação

Junto com essas características, o principal: preço para concorrer com o Google. Atualmente, há uma profusão de empresas que utilizam as ferramentas de Google Adwords para publicidade online, o que automaticamente aumenta o valor por clique pago em cada palavra. Nesse meio entra o Facebook, com um custo menor por clique em determinados seguimentos. Mas apesar dessa diferença, o sistema dos dois é o mesmo: leilão por custo de lance. Ou seja, nos dois casos, a empresa estipula um valor máximo que deseja pagar e o Facebook ou Google comparam os lances (no Facebook as empresas escolhem os interesses dos clientes, no Google as empresas escolhem as palavras-chave), e dão mais espaço para quem der a melhor oferta.

Nos dois casos, entretanto, é primordial um acompanhamento diário das variações dos preços dos lances para cada palavra-chave ou grupo de interesse, é aí que entra a capacitação. A Exacta é uma das poucas empresas de Curitiba que também trabalha com propaganda paga no Facebook, e não só com estimativas de lances, mas com relatórios para mensurar os gastos e ganhos com essa nova ferramenta. O domínio das ferramentas do Facebook são primordiais para conquistar o sucesso publicitário nessa rede social.

Oferecemos consultoria in company ou individual. Para qualquer dúvida sobre o tema ou como alavancar seus negócios no Facebook, nós podemos lhe ajudar.

Navegadores e Sites

O navegador de internet do seu computador afeta primariamente a forma como o seu site é visualizado. A afirmação pode parecer estranha, pois, à primeira vista, todos os navegadores mais utilizados, Internet Explorer, Mozilla Firefox, Google Chrome, Safari, parecem iguais, mas só parecem. O que torna a afirmação verídica é o fato de que os navegadores trabalham com renderização diferente de fontes, espaços, imagens e margens. Assim, cada navegador “lê” o código de um site e “traduz” de uma forma diferente e, quando a “tradução” não fica de acordo com o código do site, ele é mal exibido para o usuário. O problema fica um pouco maior quando consideramos o avanço do HTML 5, uma linguagem de programação relativamente  nova para construir sites, que incorpora mais elementos visuais e de textura ao site. Nesse texto vamos explicar como manter o seu navegador preparado para exibir corretamente o conteúdo do seu endereço eletrônico.

 

Mozilla Firefox

O Mozilla Firefox (ou somente Firefox), foi o primeiro grande concorrente do Internet Explorer, mas que continha uma grande diferença: o Firefox é um navegador de código aberto. Ou seja, o Firefox foi desenvolvido por centenas de colaboradores que queriam criar um navegador que utilizasse pouca memória do computador e que fosse rápido e eficaz. Assim, em 2004 surgiu a primeira versão do Firefox. A primeira vista, o navegador era considerado feito para programadores, pois eles conseguiam resolver quaisquer erros de exibição que houvessem e ainda adicionar funções que precisassem. Isso acontecia porque a maioria dos sites ainda não era bem executada no Firefox.

Mas esse entendimento modificou-se. Atualmente o Firefox consolidou-se como um navegador rápido e leve que recebe constantemente atualizações para incorporar novas linguagens de programações sites. Entretanto, as mesmas precauções para com o Internet Explorer devem ser tomadas: é indicado que o usuário tenha a versão mais recente (Firefox atualmente na versão 35), não utilize muitas barras de navegação (aquelas barras que ficam abaixo do endereço HTML do navegador), pois elas podem deixar a ferramenta lenta, atualize sua versão de Flashplayer ou Java (para exibição de vídeos ou animações).

Google Chrome

O Google Chrome foi uma ferramenta desenvolvida pela gigante Google com o intuito de agregar os outros serviços oferecidos ao usuário. Assim, a pessoa pode utilizar o Chrome, com atalho para o Gmail, entrar no Google Maps etc, tudo a partir do mesmo navegador. O navegador foi posto no mercado em 2008 e, pouco a pouco, foi ganhando um espaço sólido como uma alternativa ao Internet Explorer e o Firefox. Atualmente é o navegador mais utilizado pelos usuários da internet. Em termos de funcionalidade, o Chrome integrava as versões mais recentes de tecnologia para criar sites, não apresentava os travamentos do Explorer e era bem recebido por quem utilizada o Firefox. Assim, constantemente ele também sofre atualizações que deixam seu motor de renderização mais rápido para executar sites (atualmente na versão 40).

Safari

O Safari é um navegador desenvolvido pela Apple que funciona como navegador padrão para o sistema operacional Mac OS. Atualmente, o Safari é o quarto navegador mais utilizado no mundo com 8,39% dos usuários, o Google Chrome é o primeiro com 42,68%, seguido do Internet Explorer com 25,44% e do Mozilla Firefox com 20,01% do mercado. O Safari também tem uma versão para Windows que incorpora a mesma interface simples, típica aos produtos da Apple. Em termos de funcionalidade, em testes, tem um desempenho mais rápido que o Explorer e executas funções de Java Script mais rápido que o Firefox. O Safari está atualmente na versão 8, e é aconselhável que o usuário também mantenha-se com a versão mais recente do navegador.

As dicas principais para todos os navegadores são: ter sempre a versão mais recente, atualizar o Java Script, atualizar o Flash Player, não trabalhar com muitas barras de ferramentas de terceiros (aquelas barras que ficam abaixo do endereço HTML), e, principalmente, utilizar o cross-browse, ou seja, ter mais de um navegador na sua máquina para verificar a exibição de seu site.

Edge

O Edge é o navegador padrão que vem instalado em todos os computadores com o sistema operacional Windows desde o início de sua comercialização. Durante muito tempo, e para muitos usuários, ele foi o navegador principal utilizado e, por isso, os sites foram pensados levando em conta os códigos de exibição do Edge. Com uma linguagem forte e densa voltada para texto e poucas imagens, o navegador cumpria seu papel, entretanto, a partir da adição de outros elementos para construção de melhores sites (CSS, Flash, Java etc), alguns bugs (falhas) começaram a aparecer no navegador e passaram a afetar o desempenho dele. As seguintes falhas e resoluções, propostas pela Microsoft, são:

– O Edge não abre ou trava imediatamente após a abertura: Reinicie o computador, Instale as atualizações mais recentes, desligue e ligue o Edge;

– O Edge para, congela ou trava: Instale as atualizações mais recentes, execute a Solução de problemas de desempenho do Edge, desative a aceleração de hardware, desative complementos;

– As páginas não são exibidas corretamente ou aparecem em branco: Limpe o cache de navegação (arquivos temporários de Internet), abra a página no Modo de Exibição de Compatibilidade;

Candado-Marca-RegistradaPara que sua empresa garanta segurança jurídica em termos de marca é necessário fazer duas coisas muito importantes: registrar a marca no INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) e registrar um domínio na internet com o nome referente à empresa. As duas etapas, entretanto, tem trâmites diferentes, mas necessários.

Registro de Marca no INPI

Uma marca pode ser um nome ou imagem (ou os dois) de seus serviços, produtos ou empresa. A marca é entendida como uma propriedade intelectual e, por isso, deve ser registrada no INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial), para que sua ideia seja protegida. Funciona assim, não há um registro mundial para todas as marcas do planeta, então, você, pessoa física ou jurídica (para os casos de empresas criadas que ainda não registraram sua marca), deve registrar sua marca no cadastro brasileiro, ou INPI. Mas vamos por partes, pois a sua primeira dúvida pode ser: o que não pode ser marca? Entre as principais coisas que não podem ser marcas, de acordo com o INPI, estão:

– Brasão, armas, medalha, bandeira, emblema, distintivo e monumento oficiais, públicos, nacionais, estrangeiros ou internacionais, bem como a respectiva designação, figura ou imitação;

– expressão, figura, desenho ou qualquer outro sinal contrário à moral e aos bons costumes ou que ofenda a honra ou imagem de pessoas ou atente contra liberdade de consciência, crença, culto religioso ou ideia e sentimento dignos de respeito e veneração;

– reprodução ou imitação de elemento característico ou diferenciador de título de estabelecimento ou nome de empresa de terceiros, suscetível de causar confusão ou associação com estes sinais distintivos;

– sinal que induza a falsa indicação quanto à origem, procedência, natureza, qualidade ou utilidade do produto ou serviço a que a marca se destina;

– nome, prêmio ou símbolo de evento esportivo, Artístico, cultural, social, político, econômico ou técnico, oficial ou oficialmente reconhecido, bem como a imitação suscetível de criar confusão , salvo quando autorizados pela autoridade competente ou entidade promotora do evento;

– obra literária, Artística ou científica, assim como os títulos que estejam protegidos pelo direito autoral e sejam suscetíveis de causar confusão ou associação, salvo com consentimento do autor ou titular;

A marca é, portanto, algo único que ainda não foi utilizado como símbolo para terceiros. Escolhida a marca (tanto em nome ou símbolo), o usuário pode entrar no site do INPI (http://marcas.inpi.gov.br/emarcas/), e iniciar sua requisição. Nessa primeira fase, o requerente tem que atentar para uma coisa principal: a classificação da marca. A marca tem que se adequar a alguma das 25 categorias utilizadas pelo INPI para denotar o ramo de atividade ao qual a empresa trabalha. Assim, se sua empresa, por exemplo, for química e você deseja patentear uma marca ligada à indústria química, deve-se classificar a marca no quesito que engloba substâncias químicas. Pode parecer óbvia essa conexão, mas uma marca classificada de forma errônea pode ser contestada pelos concorrentes e acabar sendo anulada. A lógica é que sua marca não condizer com a atividade de sua empresa, sua atividade não está adequadamente formalizada, o que expõe sua ideia à utilização de terceiros. Por isso uma boa análise nesse quesito é fundamental.

Dependendo do tipo de marca (nome, imagens ou os dois), e da natureza de quem faz o registro (pessoa física ou jurídica), o valor a ser pago pode ser diferente. Para se ter uma ideia, uma marca em nome e imagem, registrado por uma pessoa física pode ter uma taxa inicial de R$ 142,00, enquanto que a mesma parca registrada por uma pessoa jurídica pode ter um custo de R$ 355,00. Após isso, o processo segue para registro em que o INPI averigua se a marca já está ou não em uso. Esse é o momento onde terceiros podem contestar a sua legitimidade como detentor da propriedade da marca. Há dois caminhos principais: no primeiro sua marca ainda não é utilizada e você consegue o registro em pouco mais de 2 anos; no segundo sua marca já é utilizada e, portanto, as partes devem justificar a utilização da mesma. No segundo modelo o prazo do processo estende-se um pouco e você levará mais tempo para se registrar. Há empresas privadas que fazem esse acompanhamento para você e preparam sua defesa em caso de contestação de terceiros, uma delas é a http://www.direcaoconsultoria.com.br , que pode ajuda-lo tirando mais dúvidas e indicando o melhor caminho.

Registro de domínio para empresas

O site nacional onde é feito o registro de domínios é o http://registro.br/ . Lá você registra o seu domínio em qualquer uma de várias terminações possíveis (com.br, eco.br, net.br etc), mas, novamente, cada terminação diz respeito à um setor específico. Assim, a terminação com.br serve para Atividades comerciais, eco.br para Atividades com foco eco-ambiental, em.br para Pequenas e micro-empresas, enfim. Nesse site você consegue encontrar todas as terminações e suas indicações para escolher a extensão adequada. Para manter um site, o custo a ser pago é anual, no valor de R$ 30,00.

Mas o que acontece se você registra uma marca, mas já existe o domínio na web? Três vezes por ano há o processo de liberação de domínios, o que significa que os domínios que já existem podem mudar de propriedade. Isso pode ocorrer por alguns motivos e, por exemplo, nos casos em que o usuário registra uma marca e o domínio dá existe. Assim, você se cadastra no registro.br, mas marca uma cláusula que diz “A entidade possui o registro de marca ou nome empresarial correspondente a este nome de domínio”, o que significa que está pleiteando o domínio em questão. Vencida essa etapa, você tem que esperar as datas de liberação de domínio e comprovar o registro da marca para aquele endereço. Em seguida as duas partes apresentam as justificativas para requerer o domínio e, após análise o domínio pode ou não mudar de requerente. Ou seja, se sua marca for registrada, mas já existir domínio semelhante, há a possibilidade de você conseguir aquele domínio. 

Lojas virtuaisO comércio eletrônico, ou e-commerce, beneficiou-se da popularidade da internet e da evolução dos meios de pagamento online para se tornar uma ótima opção para empresários, novos ou experientes, que procuram expandir sua oferta de clientes. Assim, o país experimenta um alto índice de empresas que abrem suas portas para o mercado online junto com um crescimento vertiginoso no número de transações efetuadas somente pela internet. Em 2014, os dados apontam que 63 milhões de consumidores fizeram ao menos uma compra pela internet, 11,6 milhões a mais do que no ano anterior, e o valor médio da transação ficou em R$ 333,40. Em 2015, a projeção é animadora e instiga muitos empresários em abrir uma loja online, mas o novo desbravador desse campo tem que estar ciente de suas qualidades e dilemas por resolver.

Qualidades do comércio digital

– Você não precisa ter uma loja física – Essa talvez seja uma característica assertiva para que pequenas e médias empresas vendam seus produtos direto na internet, pois considerando o valor de imóveis e o capital inicial de um novo empreendimento, é uma ótima estratégia vender os produtos online, manter um capital de giro e criar uma reserva destinada à compra de um local físico para expansão e melhora do negócio;

– Aberta 24h por dia, 7 dias por semana – Outra característica que  agrada quem se aventura pelas lojas virtuais é o fato de ela não fechar as portas após o horário de trabalho ou em feriados. Ou seja, não importa que horas o seu cliente encontre seu link para comprar o seu produto, ele vai conseguir efetuar a compra e conseguir sua mercadoria. Esse fator é muito importante porque considera o teor dinâmico e aleatório dos clientes e da evolução tecnológica, pois usuários acessam lojas online enquanto estão nas mais diversas ocupações ao longo do dia, tudo através de um smarthphone ou tablet. Conectividade é uma lei;

– Não requer deslocamento do cliente – Assim como a característica anterior, o fato de não exigir o deslocamento do cliente para efetuar uma compra cria um fator positivo que transfere ao usuário um bem estar na hora de efetuar uma transação online. Dessa forma estamos dizendo ao cliente que “o seu tempo é precioso”, e criando um hábito para que ele acesse e compre em qualquer horário do dia ou da noite;

– Alto potencial de crescimento e lucro – O fato de as empresas migrarem para o comércio digital segue a tendência do aumento exponencial das transações nesse setor, afinal é um bolo ao qual todos os empresários querem um pedaço. O crescimento desse setor está ligado há 3 fatores principais: o cliente se sente seguro ao comprar online; o cliente consegue comparar marcas e lojas antes de efetuar a compra e se sente mais confortável por isso; mesmo as pessoas que não confiavam nesse comércio, começaram a utiliza-lo e divulgar boas experiências comprando online, o que demonstra um novo comportamento do consumidor. Com esses clientes satisfeitos por fazerem negócios online, eles optarão por utilizar esse serviço mais vezes, pois pensarão duas vezes antes de sair de casa para efetuar uma compra. Adicione isso à evolução tecnológica de smarthphones e tablets e entenderá o porque dos especialistas estarem otimistas com o comércio online;

Dilemas para quem aposta em Lojas Online

– Formas de pagamento – A primeira preocupação para quem abre uma loja online é quais formas de pagamento disponibilizarei para o meu cliente. Boleto bancário? Cartão de Crédito? Débito? A melhor opção, é claro, é oferecer todas elas, mas, dependendo do banco e da operadora de cartão utilizada, as taxas e o tempo exigido para receber o pagamento podem frustrar as expectativas de oferecer essa variedade. Assim, é mister investigar entre as operadoras de cartões e bancos as melhores opções ao contratar esses serviços.

– Frete para envio de produto – Após escolhida a(s) forma(s) de pagamento(s) e com a ideia de produtos que serão vendidos a questão do frete passa a ser outro ponto de questionamento. Os desafios mais comuns envolvem produtos que são muito largos ou altos (pois podem facilmente amassar ou envergar), e as mercadorias pequenas e frágeis. Nos dois casos, a espessura da embalagem e o tamanho dela tem que ser levados em consideração para que o envio, e os potenciais problemas de manuseio, não façam com o que o cliente receba um produto já machucado ou com ranhuras. Uma resposta rápida englobará o sistema de entrega dos Correios, mas essa não é uma regra, afinal dependendo do tipo e da embalagem da mercadoria um serviço terceirizado pode melhorar a experiência de quem recebe o produto em casa;

– Ter ou não ter estoque? – Essa pergunta também gera certo debate porque estoque também significa que a qualquer momento uma boa promoção pode alavancar a audiência online de sua empresa. Em paralelo, quem entra na sua loja online por causa de uma promoção pode muito bem navegar entre seus produtos e comprar outro que não tinha imaginado. Por outro lado, o fato de algumas lojas virtuais não terem sede física dificulta a formação de estoque, o que pode diminuir a chance de promoções. A dica é comparar as rentabilidades para com ou sem estoque alternando meses (se possível) entre uma ou outra estratégia. Entretanto, essa dica pode não ser válida para todos os setores do comércio, por isso é essencial uma boa pesquisa de mercado para justificar a formação ou não de estoque.

– Marketing e divulgação – Como o cliente encontrará a sua loja virtual? Felizmente, para essa questão, existem serviços de publicidade paga como o Google Adwords (a Exacta oferece essa consultoria), que fazem o seu produto chegar exatamente ao cliente que você procura. Entretanto, além disso, é essencial que o seu site seja otimizado (a Exacta oferece esse serviço) e esteja na primeira página do Google para ser mais visualizado por quem procura seu produto. Em adicional, variando de produto para produto, há estratégias de divulgação com foco em blogs de consumidores satisfeitos, blogs de análise de produtos, grupos de Facebook etc. Enfim, o marketing digital faz diferença na hora do seu site ser encontrado e deve ser um pilar a ser trabalhado ao desenvolver sua loja virtual.

Junto com essas qualidades e dilemas, é essencial um bom planejamento de mercado; o empresário de lojas virtuais tem que considerar as qualidades de seu produto, os diferenciais, e conhecer os hábitos de seus clientes para posicionar muito bem o seu serviço na internet.

 Se você tem perguntas sobre o tema fale com a Exacta que prestaremos a consultoria que você necessita.

 

Antivirus

Antivirus

Desde que os computadores e a internet massificaram-se no planeta nasceram também formas maliciosas de corromper o seu computador, roubar suas senhas e criar um infortúnio na sua vida online. Entretanto, há estratégias que podem ser utilizadas para minimizar ou zerar as suas perdas – e tudo passa por uma regra fundamental: atualização. Para se manter protegido na internet é fundamental que você tenha o seu computador e seu conhecimento atualizados com as novas técnicas de segurança utilizadas. Essa é a função desse artigo.

Para proteger o seu computador, tenha em mente um sistema com quatro pilares principais: a sua máquina, o seu navegador na internet, o seu e-mail, e você, o usuário. Para cada uma delas há etapas de proteção específicas. Vamos começar.

A sua máquina

Um computador protegido deve estar sempre atualizado, então as principais dicas giram em torno de uma upgrade no seu sistema.

– Atualize a sua máquina para a versão do sistema mais nova possível. Em todo computador há a opção de atualizar o sistema, então faça isso e proteja seus arquivos;

– Tenha um antivírus eficiente. Dependendo do uso que o seu computador tenha, é recomendado passar o antivírus em toda a máquina pelo menos uma vez por semana. Então escolha uma noite e deixe o antivírus fazer o trabalho dele. E aliás, também mantenha o seu programa atualizado, pois mesmo as opções grátis de antivírus oferecem ótima proteção para a sua máquina;

– Tenha cuidado na hora de utilizar pen drives, pois há vírus que infectam essas ferramentas para depois se instalarem nos computadores rapidamente. Assim, ao colocar esses instrumentos, primeiro passe o antivírus com o pen drive acoplado e só depois utilize ele;

O navegador de internet

A forma como você acessa a Internet influencia altamente a infecção na sua máquina, afinal todos os vírus estão na rede e é principalmente através de navegadores que eles chegam até você.

– Atualmente todos os navegadores contam com ferramentas que denunciam atividades suspeitas na rede, então utilize isso como um alerta ao acessar determinados sites;

– Utilize um bloqueador de pop-up para impedir atividades suspeitas na sua navegação. Pop-ups são aquelas janelas desconfortáveis que surgem na tela quando você navega em determinados sites. Na maioria das vezes são propagandas, mas em outras eles acionam funções ocultas que podem infectar a sua máquina;

– Tenha cuidado com sites de bancos. Ao utilizar seu navegador para entrar no site do seu banco, saiba corretamente o endereço e verifique se há um cadeado no canto esquerdo inferior (ou superior, dependendo do navegador) da tela. Esse cadeado dá a certeza que o site é autêntico, pois é comum clonarem-se sites de bancos e o usuário acaba colocando seus dados em sites falsos sem perceber;

– Evite ver vídeos em sites desconhecidos. Sites que oferecem conteúdo de vídeo gratuitos (principalmente para filmes e séries), podem espalhar malware através do streaming onde o vídeo está hospedado. Assim, você pensa que está aguardando uns minutos para o vídeo carregar, mas na verdade está ganhando um grande problema;

– Não armazene senhas no seu navegador. Embora muitos navegadores deem a opção de gravar automaticamente suas senhas, não forneça. Dados armazenados em navegadores podem ser alvos de ataques de vírus que copiam esses códigos e repassam para quem os criou;

O e-mail

O seu e-mail é a segunda forma (em alguns casos é a principal) que o seu computador recebe dados da internet. Assim, é primordial ter cuidado com anexos desconhecidos e links para endereços externos que transmitem incerteza.

– Não abra anexos de emails a menos que você os esteja esperando. Os anexos de e-mail são a forma mais utilizada pelos hackers de tentar infiltrar malwares na sua máquina. Assim, desconfie dos anexos que chegam de destinatários desconhecidos e não abra os links para endereços externos se eles não forem seguros;

– Tenha cuidado com e-mails de bancos, Receita Federal e órgãos públicos, pois geralmente eles não enviam e-mails para os usuários. É comum o usuário se surpreender com esses e-mails e clicar para ter mais informações, então, na dúvida, contate seu banco ou órgão público antes de abrir esse material.

O usuário

– Mantenha-se sempre atualizado contra as novas formas de infecção;

– Ao utilizar computadores públicos ou lan houses tenha cuidado ao fornecer senhas e limpe seu histórico de navegação;

– Tenha sempre um bom antivírus instalado no computador e utilize-o periodicamente;

– E principalmente: utilize a prudência ao acessar sites duvidosos ou determinados conteúdos que parecem fáceis de conseguir. Não faça o download de programas duvidosos e sempre passe o antivírus mesmo nos anexos de seu e-mail.

Com essas dicas o usuário de computadores pode se proteger ao acessar a internet e impedir que seus dados pessoais sejam roubados por hackers. Redobre os cuidados se você possui em seu computador dados de contas bancárias, logins e senhas para sites, ou qualquer termos de acessos para conteúdo privado. É máster utilizar a prudência ao navegar na internet e mantenha-se sempre atualizado para que o mundo virtual não ameace o bem estar do seu mundo real.

Tutorial de uso do WordPressWordPress talvez seja o CMS (Content Management System), ou seja, Sistema para Gerenciamento de Conteúdos, mais utilizado no mundo graças à sua facilidade de uso, design atraente e seus recursos quase ilimitados. Esse aplicativo passou a ser conhecido no mundo em 2003 e, ano após ano, aperfeiçoou-se ganhando novas versões e mais usuários para agradar. Atualmente estamos na versão 4.1, também chamada de Dinah, e esse Tutorial ensinará como utilizar o WordPress para gerenciar o seu site ou blog. Leia atentamente e aprenda.

Início, Painel Central e Menus

Para utilizar o painel do WordPress, primeiro você tem que encontrar o “Admin” de seu endereço online. Geralmente o endereço para o painel administrativo do seu site estará no domínio “http://seusite.com.br/wp-admin”. Digite o endereço na sua barra do navegador e logo será conectado no portal de acesso ao seu site. Após colocar o login e a senha, surgirá o Painel Central de gerenciamento de seu site.

Tela de login do WordPress

Tela de login do WordPress (Clique para ampliar)

 

Vamos dividir o Painel Central em três partes distintas: a primeira, à esquerda, são os menus para uso; a segunda, no meio, traça um breve resumo do seu site/blog e mostra os últimos comentários que você recebeu; a terceira, à direita, exibe um atalho para criar rascunhos de seus posts e, logo abaixo, notícias sobre as últimas atualizações do WordPress. Assim, vamos entender inicialmente os menus à esquerda, são eles:

Posts: São as publicações de seu site/blog. Um post pode conter texto, imagens, som, vídeos e outras coisas. Em alguns casos os Posts podem ser traduzidos como “Artigos”;

Midia: Menu que abriga suas fotos e arquivos de vídeo. Há a possibilidade de criar “Bibliotecas” para facilitar o encontro de foto ou vídeo específico;

Pages (Páginas): As páginas são parecidas com os posts, mas com uma diferença primordial – as Páginas são estáticas, e os posts ficam em constante alternância. Assim, os links para as Páginas normalmente estão destacados em um site como menus. Para entender melhor imagine que em um site de notícias há um menu somente para notícias esportivas com o título de “Esporte”. Nesse caso, o “Esporte” é a página, e as notícias dentro dele são os Posts. Essa diferença é importante e será retomada logo em seguida.

Comments (Comentários): Aqui você encontra os comentários postados em seu site. É recomendável colocar que os administradores do blog/site vejam os comentários antes deles serem publicados, assim evita-se linguagem ofensiva tanto ao conteúdo quanto aos outros usuários online.

Appearance (Aparência): Esse menu permite ao usuário criar um ambiente de navegação customizado para o tema que escolheu. Assim, ele pode alterar a ordem de menus e otimizar suas ações;

Plugins: À semelhança dos aplicativos para smarthphones, os Plugins são funcionalidades específicas para ações que os usuários querem que seu site/blog execute. Sabe aquele relógio analógico que aparece no site de notícias? Ou o contador que exibe quantos usuários estão online naquele momento junto com você? Esses são exemplos de Plugins, e nesse menu de mesmo nome você pode desligar, ligar ou excluí-los de seu site/blog;

Users (Usuários): Nesse menu você pode habilitar outros usuários para que tenham acesso ao seu blog/site. O WordPress não permite que duas contas distintas acessem ou editem o mesmo conteúdo, assim, se o seu site/blog possuir mais de um colaborador e você entrar em determinado post que a outra pessoa está editando, você a desconectará automaticamente. Esse menu também edita as preferências individuais dos usuários, tais como Nome, Informações biográficas e contato. Posts no WordPress levam a assinatura de quem os publicou. Para criar um novo usuário basta clicar no menu “Usuários”, depois “Adicionar Novo” e depois seguir os passos indicados;

Tools (Ferramentas): São parecidos com os plugins, mas enquanto a maioria dos plugins é visível aos usuários do site/blog, as ferramentas possuem mais funcionalidades auxiliares, tais como otimizar o carregamento do site/blog, mostrar onde os usuários clicam, melhorar a funcionalidade de seu tema etc. Ou seja, as ferramentas contém propósitos mais direcionados ao administrador do site/blog do que ao visitante;

Settings (Configurações): No menu Configurações você edita todo o funcionamento de seu site/blog. É possível controlar tudo que é exibido, como títulos, palavras-chave, idiomas etc;

Collapse Menu (Recolher Menu): Recolhe os títulos dos menus à esquerda e exibe somente o ícone deles.

Divisões do Painel Central

Divisões do Painel Central (Clique para ampliar)

 

Edição e primeiras postagens

Após a familiaridade com os menus vamos pôr a mão na massa, ou seja, escrever. Mas como fazemos isso? Primeiro de tudo, vá no menu “Perfil” e edite suas informações para que as pessoas te conheçam. Nesse ponto você me pergunta: onde coloco a foto de perfil? Para resolver isso você deve se cadastrar no Gravatar (www.gravatar.com), que funciona como um site que une sua imagem ao seu perfil sempre que você escreve ou comenta em um blog/site que utilize o sistema WordPress (o que são muitos). No Gravatar também podemos colocar mais informações individuais. Configurado o Perfil, vamos acessar agora o primeiro menu à esquerda, Posts, e criar nossos artigos.

Clicando no menu Posts, a área de trabalho vai ser preenchida com os últimos posts de seu site. Se você estiver publicando seu primeiro material nada aparecerá, mas não se preocupe, pois em seguida você irá clicar em “Adicionar Novo” (no alto à esquerda) para criar seu primeiro post. Após clicado, surgirá a página de postagens em branco esperando suas informações, então vamos por partes.

Novo Post (Clique para ampliar)

Novo Post (Clique para ampliar)

Com o layout simples e funcional do WordPress fica fácil para prosseguir. Primeiro coloque o título no alto, e, na área em branco inferior, coloque o texto bruto para depois partir para a edição do mesmo. Para isso você estudará a barra de ferramentas textuais que estão logo acima da área de texto. Passe o mouse em cima dos ícones e logo o nome da função aparecerá. Assim, escolha a letra ideal, o tamanho, edite como desejar, e se o texto tiver fotos, clique no ícone com o desenho de uma câmera fotográfica para “Adicionar Mídia”, ou seja, colocar fotos ou vídeo. Clicando lá, abrirá uma janela para receber o arquivo que irá compor o texto que está escrevendo. Atenção para os submenus superiores e laterais dessa janela.

Aqui, os principais são os menus laterais, pois eles alteram a função dos menus superiores. Ou seja, a primeira opção “Inserir Mídia”, pergunta de onde virá seu arquivo e dará duas opções: o primeiro é para arquivos oriundos do seu computador; o segundo é o submenu “Biblioteca de mídia” que exibe os arquivos previamente utilizados por você. O segundo submenu lateral, “Criar Galeria”, também recebe seus arquivos, mas com o propósito de criar uma galeria para facilitar a posterior procura (algo recomendável para sites/blogs com muito conteúdo). O terceiro submenu lateral “Configurar Imagem Destacada”, serve para configurar uma imagem especial que será exibida como referência para o texto. Geralmente todos os temas de WordPress exibem uma imagem em miniatura que está presente no texto, essa é a Imagem Destacada. Utilize-a como uma imagem especial que chame o leitor ao texto. Ao colocar a imagem surgirá uma caixa lateral direita onde o usuário pode configurar uma legenda específica para a imagem, entre outras funcionalidades. Em seguida clique em “Inserir no Post” e a imagem surgirá em sua área de edição de texto.

Colocada a imagem, você pode usar as ferramentas de edição de “Alinhar à esquerda” e “Centralizar”, para editar sua imagem. Agora ponha seus olhos nas duas abas que aparecem à direita, “Visual” e “Texto”. A diferença entre elas é que em Visual você verá seu post à maneira que ele será exibido em seu site/blog; em Texto, você encontrará códigos HTML, que pode ser usado por usuários mais experientes para implementar comandos extras à edição textual. É por isso que ao clicar na aba Texto as ferramentas de edição de texto mudam, exibindo opções baseadas em comandos HTML. Assim, com o trabalho dessa parte finalizado, retorne à aba de Texto para configurar as tags de sua matéria.

Nesse ponto seu post já deve estar configurado com imagens, algumas palavras em negrito, itálico, enfim, editado como deseja, então falta agora configurar a categoria ao qual seu post pertence e as tags de importância para a matéria. Vamos aos poucos. No menu à direita, a primeira caixa mostra a informação “Publicar”, para confirmar suas alterações e publicar o texto no seu site/blog. Mas, antes disso temos que dizer ao WordPress em que categoria ele será exibido. Entenda as Categorias (a segunda caixa de diálogo no menu à direita), como os menus de seu site. Assim, quando você escolhe a categoria de seu post, você está dizendo ao WordPress em qual menu aquele post tem que ser exibido. Como naquele exemplo acima do site de notícias com conteúdo para esportes, ao escrever uma matéria sobre esportes, o administrador marcaria a opção “Esportes” no menu das Categorias e imediatamente o post será exibido no menu Esportes do site. Então marque as caixas ao lado das categorias e fixe seu post à Categoria adequada.

Visão à direita (Clique para ampliar)

Visão à direita (Clique para ampliar)

Abaixo da configuração de Categorias encontra-se a caixa onde serão registrados as tags para sua postagem. As tags podem ser compreendidas como palavras-chave que os buscadores se utilizam para encontrar suas matérias. Ou seja, além do conteúdo em si, os buscadores encontram mais fácil seu texto por causa das tags ligadas a ele. Por isso é de suma importância escolher boas tags para o seu post. Separe as tags entre vírgulas e coloque as palavras que você acredita serem as que melhor sintetizem seu texto. Dessa forma os mecanismos de busca darão mais relevância ao seu material e ele será mais encontrado por usuários que procuram o seu tema.

Opções de gerenciamento

Com o conhecimento de postagens, categorias e tags, o usuário de WordPress necessita apenas de experiência para melhorar suas publicações e conhecimentos sobre outras funções do gerenciador. Abaixo algumas delas:

– Quando você cria um post novo ou edita um anterior, você pode modificar o endereço do URL de seu post. Para isso, entre em edição e preste atenção no endereço pouco abaixo do título de seu post. Há um endereço com o nome de “Link Permanente” e em seguida a URL que exibe seu post. Assim, clicando no submenu “Editar” você pode modificar o endereço de seu post;

– Para editar a data de seus posts, vá até a caixa de “Publicar”, localizada à direita no menu de Posts e clique na palavra “Editar” que se encontra ao lado de uma data. Clique, altere a data e depois vá em “Ok” e depois “Atualizar” (logo abaixo) para salvar as alterações;

– Para colocar os comentários sobre aprovação do administrador vá até o menu “Posts”, clique em “Todos os Posts”, passe o mouse em cima do título e depois clique em “Edição Rápida”. Em seguida serão exibidas várias caixas de texto com indicações para edição de título, tags, categorias, tudo de forma sucinta. Abaixo das tags você encontrará um caixa de confirmação para “Permitir comentários”. Ao desmarcar isso os comentários irão primeiro para sua aprovação. Detalhe: esse tutorial é para WordPress 4.1, em outras versões o caminho varia. Para essa mesma função você pode clicar diretamente no menu “Comentários”, e acompanhar lá o feedback de seus usuários;

– A correta utilização dos menus de Plugins e Ferramentas envolvem ao usuário de WordPress certa pesquisa online. O motivo é que a todo o momento surgem novos plugins ou ferramentas que otimizam as funções do WordPress, assim, o administrador deve procurar listas na internet que melhor o auxiliem na escolha de plugins e ferramentas para seu site/blog. Para isso há várias listas na internet com as melhores indicações possíveis, entretanto é primordial que o plugin ou ferramenta já seja adaptado à versão que o usuário instalou em seu site/blog, para não haver incompatibilidade.

Lido e entendido esse tutorial, o usuário não terá problemas para gerenciar seu WordPress. Em adicional, com o uso, você adquirirá mais perícia para utilizar as ferramentas dessa plataforma. Não pare no ponto, estude e atualize-se, o WordPress não para.